Compartilhar:  

Artigos > O hangul, o alfabeto coreano

por Alexis Ulrich  LinkedIn

Um pouco de história

Sejong, o Grande, quarto rei da dinastia Joseon

Quando Sejong, o Grande, o quarto rei da dinastia Joseon, chegou ao poder em 1418, o coreano é praticamente uma língua oral para a maioria dos coreanos. De facto, a aristocracia e a administração utilizam caracteres chineses clássicos (o hanmun) para o escrever, enquanto que as classes médias utilizam caracteres chineses para transcrever foneticamente o coreano, a escrita idu, sendo os dois sistemas incompatíveis.

Ainda hoje, 1 807 caracteres chineses básicos (os hanjas) são ensinados entre o liceu e o secundário, enquanto que o hangul tem apenas 14 consoantes e 10 vogais básicas, chamadas jamos (자모), às quais devemos acrescentar 5 consoantes duplas, 11 vogais compostas e 11 grupos de consoantes se quisermos ser exaustivos, ou seja, 40 letras no total.

Mas voltemos a 1446, quando Sejong publicou a sua obra «Sons correctos para a instrução do povo», escrito em chinês clássico, onde descreve a escrita com o mesmo nome, o Hunmin Jeongeum (훈민정음). Ele inventou sozinho este alfabeto, pelo qual os estudiosos da sua corte o reprovarão, ainda que os tenha apresentado em 1443, três anos antes da sua promulgação. O aniversário da data de publicação é celebrado como Dia de Hangeul na Coreia do Sul a 9 de Outubro, e a 15 de Janeiro como Chosŏn’gŭl Dia na Coreia do Norte.

Este alfabeto não tomou o nome hangul até 1912, sendo o termo cunhado pelo linguista Ju Si-gyeong que trabalhou na normalização da língua. Na Coreia do Norte, chama-se chosŏn’gŭl, após o período Chosŏn, outra ortografia de Joseon.

Consoantes e vogais

Neste novo sistema de escrita, o desenho das consoantes representa a língua e a boca e agrupa-as foneticamente. Encontramos as consoantes velares ㄱ [k] e ㅋ [kʰ], as alveolares ㄴ [n], ㄷ [t], ㅌ [tʰ] e ㄹ [r]/[l], as bilabiales ㅁ [m], ㅂ [p] e ㅍ [pʰ], as fricativas ㅅ [s], ㅈ [c] (antigamente [ts]) e ㅊ [cʰ], e as glotales ㅇ [ŋ] e ㅎ [h].

Quanto às vogais, elas são desenhadas com uma linha horizontal que representa a Terra (Yin), um ponto para o Sol (Yang), que mais tarde irá evoluir para uma pequena linha horizontal ou vertical, e uma linha vertical representando o Homem, o elemento neutro entre as duas forças opostas e complementares de Yin e Yang.

Uma grelha de escrita

a palavra Hangul escrita em hangeul

O hangul é simultaneamente um alfabeto e um silabário: cada sílaba é construída com jamos e é posicionada numa grelha, alternando consoantes e vogais.

Eis por exemplo a palavra Hangul escrita em hangeul: 한글.

Cada palavra começa com uma consoante inicial, embora possa ser a consoante nula hieut que corresponde a uma h silenciosa quando começa com uma vogal, como é o caso aqui. As consoantes e vogais são alternadas na grelha (as consoantes e vogais duplas ocupam o espaço de uma única letra).

Da interdição à oficialização

Em 1504, Yeonsangun, o décimo rei da dinastia Joseon, proibiu o ensino e o uso do hangul quando as suas políticas tirânicas resultaram em cartazes escritos nesta escrita. Contudo, o hangul continuou a ser utilizado pela população feminina, que não tinha acesso aos estudos chineses, até ao nascimento da literatura romântica feminina no século XVII.

Foi sob a ocupação do Japão no final do século XIX que o coreano moderno se tornou a língua oficial, substituindo o chinês escrito. No final da Segunda Guerra Mundial, o hangul permitiu que a população se alfabetizasse. Mas só em 1995 é que os jornais coreanos deixaram de utilizar os sinogramas.

Este site usa cookies para fins estatísticos e de publicidade. Ao utilizar este site, você aceita o uso de cookies.